bride-1637473_1920
• 5 março, 2019

Vida sexual ativa contribui para a longevidade

Relacionamentos de alta qualidade demonstraram ser benéficos para a saúde física e mental, principalmente quando o casal tem uma vida sexual ativa e frequente. Foi o que constatou um grupo de psiquiatras e psicólogos da Universidade da Califórnia, EUA, e da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá. A equipe entrevistou 129 mães com alto e baixo estresse individual.

A pesquisa. Foi examinada a satisfação geral com o relacionamento afetivo entre casais e o estresse percebido individualmente. As participantes preencheram relatórios diários sobre apoios recebidos pelo parceiro, conflitos e intimidade física ao longo de uma semana.

Também, mediram o comprimento dos telômeros no sangue total das mulheres pesquisadas e nas duas subpopulações celulares: as mononucleares e os granulócitos. As análises não revelaram associações estatisticamente significantes do comprimento dos telômeros com a satisfação com o relacionamento, apoio diário, conflito e estresse individualmente percebidos.

Intimidade sexual. Em contraste, mulheres que relataram qualquer intimidade sexual durante o curso da semana tiveram telômeros significativamente mais longos medidos no sangue total e nas células mononucleares, mas não em granulócitos. Essas relações mantinham covariância para idade, índice de massa corporal, estresse percebido e índices de apoio recebido no relacionamento. Intimidade sexual não foi significativamente relacionada à atividade da enzima telomerase. Esses dados fornecem pistas de que o sexo está associado ao maior comprimento dos telômeros, mas os resultados exigem mais pesquisas.

FONTE: Portal Plenae